Extinção da Fepagro pode interromper exportações de carne do RS, alerta pesquisador

Os laboratórios da Fepagro são os únicos credenciados no Estado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sendo responsáveis pelo status sanitário da cadeia produtiva da carne. (Foto: Divulgação)

Os laboratórios da Fepagro são os únicos credenciados no Estado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sendo responsáveis pelo status sanitário da cadeia produtiva da carne. (Foto: Divulgação)

Os produtores de carne do Rio Grande do Sul poderão ficar impedidos de exportar, por pelo menos oito meses, caso o projeto de lei do governo José Ivo Sartori (PMDB) que prevê a extinção da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro) for aprovado na Assembleia Legislativa. A advertência foi feita nesta quinta-feira (15) pelo pesquisador José Reck, da Fepagro Saúde Animal, em nota divulgada na página da instituição. Os laboratórios da Fepagro são os responsáveis, hoje, por garantir o status sanitário da cadeia produtiva da carne, por serem os únicos no Estado credenciados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Esses laboratórios são responsáveis pelo diagnóstico de enfermidades como influenza, doença de Newcastle, brucelose, sarna suína, leptospirose, peste suína clássica e doença de Aujesky.

Segundo José Reck, a Instrução Normativa nº 57, que regulamenta o credenciamento junto ao Ministério, é bem clara: a perda ou troca de CNPJ dos laboratórios implica a perda do credenciamento. “Com o fim da Fepagro, toda emissão de resultados para os programas e controles oficiais de certificação sanitária do Ministério ficará suspensa, até que a Secretaria consiga um novo credenciamento”, alerta Reck. Esse novo credenciamento, assinala, custaria por volta de R$ 1 milhão e levaria, em média, oito meses para ser realizado, período no qual os produtores de carne do Rio Grande do Sul ficariam impedidos de exportar.

(*) Publicado originalmente no Sul21.

Anúncios

Sobre rsurgente

Jornalista, Porto Alegre (RS), Brasil.
Esse post foi publicado em Política, Saúde Pública e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s