A advocacia popular frente a movimentos sociais e partidos

A Renap se reunirá em Curitiba, de 30 de novembro a 3 de dezembro.

A Renap se reunirá em Curitiba, de 30 de novembro a 3 de dezembro.

Jacques Távora Alfonsin

 A Renap (Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares) vai se reunir em Curitiba, de 30 deste novembro a 3 de dezembro. Em preparação do evento, reuniram-se em Porto Alegre militantes da advocacia popular, no último fim de semana, com disposição para enfrentar um tema tormentoso: o papel desta Rede em suas relações com os movimentos populares.

  O debate contou com a  contribuição de lideranças populares,  representantes da Comissão Pastoral da Terra, do Conselho Indigenista missionário, do MST, da Escola Florestan Fernandes, juízes que integram a Associação de Juízes para a Democracia (ADJ), entre outras organizações de defesa de direitos.

   Nossa participação neste encontro visou propor ao plenário um exame atualizado das angústias e dos sofrimentos do povo pobre, refletidas em   in-segurança, in-certeza e in-tranquilidade, causadas pela in-justiça social, desequilibrando vidas inteiras, provocando danos morais, existenciais e  patrimoniais, para enfrentamento dos quais a in-capacidade do poder legal contrário a tudo isso tem sido vencida, concretamente, muito mais pelo poder político  dos movimentos sociais do que pela aplicação das leis.

   Deixando de lado a possível diferença entre movimento popular e movimento social, por companheiras/os defendida, nossa crítica à frequente e perniciosa influência dos partidos políticos sobre os movimentos, quando eles esquecem seus programas, excedem seus meios de atuação, desrespeitam a legítima autonomia dos movimentos, impõem prioridades e alianças, procuram atrelar suas demandas apenas às conveniências episódicas do exercício de poder pelo simples poder, notadamente a cada ano eleitoral, não colheu aprovação unânime. Sobre essa questão apareceu opinião contrária e abalizada a que se deve todo o respeito.

   Mesmo assim, parece não haver muita divergência sobre um ponto, pelo menos, suficiente para a discussão ser retomada no encontro nacional da Renap: o descolamento, até o abandono por vezes, que os movimentos sofrem passada a eleição, por parte dos partidos. Um vício que, de incidência tão repetida, parece ter sido introjetado na militância partidária como “normal”. “Não há mais pressa, precisamos gozar a vitória conquistada, já alcançamos colocação nos cargos de confiança”, “as alianças precisam ser ouvidas” etc…

  As urgências próprias das reivindicações populares, o prazo inadiável da conquista de garantias para os direitos humanos fundamentais sociais precisam sujeitar-se a novas prorrogações,  pois assim impõe a papelada burocrática do “devido processo legal”, até aparecerem novas promessas suficientes para distrair a atenção de quem confiou nas anteriores.

  Advogados e advogadas populares não aceitam de modo algum a falsidade daqueles “profetas”, também os que integram os movimentos sociais, para deles se servirem, fazendo de conta que estão empoderando mobilização coletiva com poder suficiente para remover o que já é e está impedindo o que ainda não é, mas tem o direito de ser.

  Mais do que qualquer outra advocacia, a prestação de serviços político-jurídicos a pessoas pobres, vítimas de ameaça ou violação de direitos humanos fundamentais sociais, integrem elas os partidos políticos ou os movimentos sociais, tem de se precaver – não sendo demasia a insistência nessa cautela – contra arautas/os da justiça bem mais interessadas/os na pregação ideológica, no aparelhamento grupal de ocasião, na espetacularização da política, no artificioso e aparente interesse  coletivo da sua mensagem e do seu fazer.

  Em obra recente (“Paulo de Tarso, na filosofia política atual e outros ensaios”), editada pela Paulus este ano, a sempre oportuna opinião de Enrique Dussel talvez ainda ofereça oportunidade de uma questão importante como essa, ser retomada:

  “Quando esse “povo” (o bloco dos oprimidos) se torna “povo para si” ou adquire “consciência de ser povo”, abandona a passividade da obediência cúmplice perante a dominação encoberta sob uma hegemonia que, na verdade, não cumpre com suas necessidades, e entra em um “estado de rebelião” –  lento processo que pode durar décadas, às vezes, séculos.” (p. 215/216).

  Chamando a atenção para a atividade política dos movimentos, objetivando satisfazer necessidades materiais traduzidas por reivindicações, como fim específico dos movimentos sociais, Dussel arremata:

  “A reivindicação não é o mesmo que a necessidade; não há reivindicação sem necessidade. A reivindicação é a interpelação política de uma necessidade no campo econômico. A necessidade é o conteúdo material do protesto político. O movimento social é, além disso, a institucionalidade primeiramente social, que pode cruzar o umbral da sociedade civil  (o Estado ampliado para Gramsci), e ainda o segundo umbral da sociedade política (o Estado em sentido restrito). Todos os movimentos sociais manifestam alguma determinação corporal vivente do sujeito humano intersubjetivo, negado em seu cumprimento de necessidade particular.” {…} “O povo é muito mais, porém esses movimentos são o “povo para  si”, são a “consciência do povo” em ação política transformadora (em certos casos exceções, revolucionária.)”. Grifos do autor.

  Embora não se deva generalizar os defeitos dos partidos políticos e as virtudes dos movimentos sociais (ou populares, se preferir-se) à assessoria jurídica popular cabe conferir, caso a caso, se está prestando algum serviço de libertação e satisfação autêntica dessas necessidades, ou de mera retransmissora de reivindicações vazias, cúmplices da injustiça social promotora das suas vítimas.

Anúncios

Sobre rsurgente

Jornalista, Porto Alegre (RS), Brasil.
Esse post foi publicado em Direitos Humanos, Justiça, Política e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s