Brigada Militar dissolve a bombas manifestação contra a PEC 241. Reitoria da UFRGS é atingida

Reitoria da UFRGS, onde manifestantes procuraram refúgio, também foi alvo de bombas de gás da Brigada Militar. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

Reitoria da UFRGS, onde manifestantes procuraram refúgio, também foi alvo de bombas de gás da Brigada Militar. (Foto: Guilherme Santos/Sul21)

A Brigada Militar dissolveu com bombas de gás, em plena Avenida Osvaldo Aranha, a manifestação contra a PEC 241 que reuniu mais de quatro mil pessoas na noite desta segunda-feira (24), em Porto Alegre. Organizada pela Frente Povo Sem Medo, pelo Comitê das Escolas Independentes e pelo coletivo Ocupa Tudo Brasil, a manifestação protestou contra a proposta que prevê congelar por até vinte anos os investimentos em saúde, educação e outros serviços públicos. A caminhada que partiu da Esquina Democrática, percorreu a Júlio de Castilhos, o Túnel da Conceição, Sarmento Leite, João Pessoa, Venâncio Aires e início da Osvaldo Aranha, sem nenhum incidente. Os organizadores do ato prepararam inclusive um esquema especial de segurança para evitar que containers de lixo fossem virados durante a caminhada.

No início, a Brigada Militar acompanhou de forma discreta a manifestação, com um grupo de quatro homens que iam passando informações por rádio sobre o roteiro da caminhada. Na linha de frente da marcha, a organização do ato cuidava para que a manifestação prosseguisse sem violência. Na entrada do túnel da Conceição, surgiu a primeira aparição ostensiva de um pelotão de choque da Brigada, posicionado na avenida Independência. Nada, até ali, indicava que a manifestação terminaria de modo violento. Os organizadores do ato tiveram o cuidado de pedir silêncio a todos durante a passagem da marcha ao lado da Santa Casa. O pedido foi atendido e os tambores e palavras de ordem silenciaram na saía do túnel.

Mas, à medida que a caminhada foi prosseguindo, o clima de tensão foi aumentando. Na avenida João Pessoa, um pelotão da cavalaria da Brigada posicionou-se em frente à sede do PMDB. Os organizadores do ato orientaram os manifestantes para que não praticassem nenhum ato contra o prédio.

Um pequeno grupo de anarquistas começou a demonstrar interesse pelos containers de lixo na avenida Venâncio Aires e foram impedidos por integrantes da organização do ato que protagonizaram uma novidade nas manifestações contra o golpe e contra o governo Temer realizadas até aqui: um serviço de proteção para os containers. Mas o número de manifestantes era muito superior à capacidade desse dispositivo de proteção, criando as condições para a repetição da insólita aliança entre alguns poucos manifestantes, em geral estudantes muito jovens, e o pelotão de choque da Brigada Militar que parece aguardar o primeiro incidente para dispersar a manifestação com bombas.

É difícil precisar a cronologia exata entre a primeira pedra lançada contra os vidros de uma agência bancária e o lançamento de bombas pela Brigada Militar. Quando a marcha chegou à esquina da Venâncio Aires com a Osvaldo Aranha, uma fileira de homens do Batalhão de Operações Especiais da Brigada bloqueava a passagem na direção do viaduto da Silva Só que, em tese, poderia conduzir os manifestantes do Parcão. Um estudante que  participava do ato observou que a Brigada não tomou esse tipo de atitude em nenhum dos atos organizados  no Parcão nos últimos meses. Com o bloqueio da Protásio Alves, a Brigada empurrou os manifestantes para a Osvaldo Aranha em direção ao centro.

Na entrada da rua Felipe Camarão havia outro bloqueio do choque, forçando os manifestantes a seguir em frente. Com a tensão aumentando e os ânimos se exaltando, algumas pedras foram jogadas contra uma agência do Santander. O choque da Brigada aproveitou o episódio para começar a dispersar a manifestação, lançando bombas de gás no meio da avenida Osvaldo Aranha que, naquele momento, tinha vários bares e outros estabelecimentos abertos e muitas pessoas na calçada.

Aos gritos de “não dispersa”, a marcha seguiu em frente até que, perto da esquina da Osvaldo Aranha com a Garibaldi, a Brigada resolveu intensificar o bombardeio contra os manifestantes. A tradicional avenida do Bom  Fim ficou coberta com nuvens do gás, enquanto a maioria dos manifestantes saiu correndo Redenção adentro. Uma parte menor, entrou para dentro do Bom Fim. Poucos minutos depois do lançamento das novas bombas, um pelotão da cavalaria da BM saiu em disparada pela rua Garibaldi atrás de alguns estudantes que tinham corrido por ali.

Entre os manifestantes que saíram correndo pela Redenção, uma parte deles buscou refúgio na Reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde ocorria uma formatura. Após dispersar a manifestação na Osvaldo Aranha, um grupo do choque da Brigada saiu em formação correndo ao lado do Instituto de Educação em direção à entrada da reitoria da UFRGS que não escapou de receber sua dose de bombas de gás, para o pânico dos participantes da formatura que ali ocorria.

Por volta das 21h45min da noite, a manifestação tinha se dispersado pelas ruas do Bom Fim, pelo parque da Redenção e pelas dependências da Reitoria da UFRGS. Enquanto isso, na esquina da Osvaldo Aranha com a Santo Antônio um grupo de moradores comentava os acontecimentos. A conversa acabou evoluindo para um debate sobre a situação política do país e para um bate-boca entre alguns moradores do bairro que, por muito pouco, não acabou em pancadaria. O ar da noite do Bom Fim estava encharcado de gás lacrimogêneo e de tensão. Alguns moradores estavam revoltados com a ação da Brigada que lançou várias bombas de gás em meio a prédios residenciais e comerciais. Uma mãe desavisada levou os dois filhos pequenos para ver o que estava acontecendo, quando foi advertida que o ar da Osvaldo Aranha ainda estava carregado de gás.

O ato contra a PEC 241 terminou assim, com o barulho das bombas de gás, os gritos dos manifestantes se dispersando pelo Bom Fim e pelo episódio que lembrou fatos ocorridos em 1964, quando a reitoria da UFRGS foi alvo de atos que anunciavam um período de repressão que durou quase duas décadas.

(*) Publicado originalmente no Sul21.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s