Clacso exige liberdade dos presos políticos do MST

José Valdir Misnerovicz foi preso dia 30 de maio, em Veranópolis, numa operação desencadeada pela Polícia Civil de Goiás articulada com a Polícia do Rio Grande do Sul. (Foto: Facebook/Reprodução)

José Valdir Misnerovicz foi preso dia 30 de maio, em Veranópolis, numa operação desencadeada pela Polícia Civil de Goiás articulada com a Polícia do Rio Grande do Sul. (Foto: Facebook/Reprodução)

O Comitê Diretivo do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (Clacso) aprovou sexta-feira (7), em Buenos Aires, uma declaração denunciando a prisão de três militantes do MST no Brasil, acusados de “integrarem uma organização criminosa”, e exigindo a imediata libertação dos mesmos.  O Clacso, que reúne cientistas políticos e sociólogos de toda a América Latina, também denuncia o agravamento do processo de criminalização dos movimentos sociais no Brasil. Segue a íntegra da nota aprovada em Buenos Aires:

Liberdade aos presos políticos do Movimento Sem Terra

O Brasil vive um retrocesso resultado do golpe das forças conservadoras que culminou com o processo em curso de destituição da presidente Dilma Rousseff, eleita democraticamente por mais de 54,5 milhões de votos. O golpe foi aplicado pela coalizão das forças neoliberais para retomar o poder e direcionar a política econômica para seus interesses. Um desdobramento deste retrocesso é a diminuição de recursos para políticas públicas voltadas para as camadas populares. A extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário é um exemplo do projeto que o governo golpista prepara para o campo brasileiro, num processo de estrangeirização de terras que cresce a cada dia graças à aliança entre os grandes latifundiários e as corporações internacionais. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST é um dos movimentos populares que mais resistem ao golpe político, lutando persistentemente pela defesa da democracia.

A reação das forças conservadoras contra o MST foi rápida. Três militantes do MST foram enquadrados como criminosos pela Lei12.850/2013 e presos. São eles: José Valdir Misnerovicz, Luiz Batista Borges e Lázaro Pereira da Luz. Qual crime eles cometeram? Lutar pela terra. Lutar pela democratização do acesso à terra, por educação, por saúde, moradia, trabalho para produzir alimentos, para desenvolver o Brasil. Eles fazem parte de mais de quatro mil pessoas que ocuparam a Fazenda Santa Helena de quinze mil hectares no estado de Goiás. A referida Lei diz respeito às organizações criminosas. Foi supostamente criada para atuar contra o tráfico e a lavagem de dinheiro, mas está sendo usada para criminalizar movimentos populares.

José Valdir Misnerovicz, Luiz Batista Borges e Lázaro Pereira da Luz estão presos e todos os pedidos de liberdade foram negados. Diante desta situação, somamos nossa urgente exigência de liberdade dos camponeses sem-terra e o fim da criminalização dos movimentos populares no Brasil.

Buenos Aires, 07 de outubro de 2016

Anúncios

Sobre rsurgente

Jornalista, Porto Alegre (RS), Brasil.
Esse post foi publicado em Direitos Humanos, Justiça, Política e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s