Deputado cobra punição de quem alterou perfil de Paulo Freire de dentro do governo

Elvino Bohn Gass lembrou que, em 2014, quando jornalistas da Globo sofreram o mesmo tipo de ataque, o governo Dilma identificou e exonerou o servidor que havia feito a alteração. (Foto: Divulgação)

Elvino Bohn Gass lembrou que, em 2014, quando jornalistas da Globo sofreram o mesmo tipo de ataque, o governo Dilma identificou e exonerou o servidor que havia feito a alteração. (Foto: Divulgação)

O deputado federal Elvino Bohn Gass (PT/RS) encaminhou pedido de investigação à Procuradoria Geral da República, à Polícia Federal e ao Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) para que identifiquem e punam a pessoa que teria utilizado um computador de uma rede administrada pelo Serpro para alterar o perfil do educador Paulo Freire na Wikipedia. A alteração ocorreu no dia 28 de junho e atribui a Paulo Freire a “origem da doutrinação marxista” nas escolas e universidades brasileiras, além de afirmar que ele participou da última grande reforma da legislação educacional que teria resultado em um ensino “atrasado, doutrinário e fraco”. Um grupo de monitora alterações feitas na Wikipedia afirmou que as alterações partiram de uma rede do Serpro.

Em nota oficial, a empresa de tecnologia do governo federal disse que a alteração não partiu de suas instalações, mas de um órgão público federal que não poderia ter o nome divulgado por “questões contratuais”. O Serpro administra a rede que provê acesso à internet em instituições públicas em todo o país. Em seu pedido, Bohn Gass lembrou que, em 2014, quando jornalistas da Globo sofreram o mesmo tipo de ataque, o governo Dilma identificou e exonerou o servidor que havia feito a alteração. “Agora estamos falando daquele que talvez seja o brasileiro mais reconhecido no mundo. É inaceitável que se atente contra a memória de um brasileiro cuja obra é referência mundial de sua área”, justificou o deputado.

Bohn Gass assinalou ainda que não se tratou de uma simples alteração de um verbete da Wikipedia, mas sim de uma manifestação de ódio e intolerância onde foram incluídas expressões como “assassinato do conhecimento” e “educação atrasada, doutrinária e fraca” para desqualificar a vida e a obra de Paulo Freire. “O componente ideológico desse ataque é evidente. Ele surge na esteira de alguns cartazes das passeatas que defendiam o impeachment onde se lia desde a defesa da ditadura até ofensas ao próprio Paulo Freire. A indigência intelectual, o cinismo e o oportunismo de alguns políticos que tentam impor uma ideologia conservadora misturam-se na tal escola sem partido. Como bem classificou Leandro Karnal, dias atrás, isso é uma asneira sem tamanho, uma crença fantasiosa de uma direita delirante e absurdamente estúpida”, criticou o parlamentar.

(*) Publicado originalmente no Sul21.

Anúncios

Sobre rsurgente

Jornalista, Porto Alegre (RS), Brasil.
Esse post foi publicado em Política e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s