O impeachment e a bomba atômica

bombaatomica

Flavio Aguiar, de Berlim

Imaginemos uma cena patética. Os cientistas que trabalharam no Projeto Manhattan, nos Estados Unidos, fabricando a bomba atômica, olham para as fotos de Hiroshima e Nagasaki, e dizem: “a nossa bomba não merecia este tratamento”.

Esta é exatamente a situação de um dos juristas que preparou o pedido de impeachment da presidenta, comentando sua aceitação pelo deputado e presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha. O jurista – e um dos outros dois que o ajudaram na inglória tarefa – já rasgaram seus currículos. Mas o comentário foi patético: “Ele (o pedido) não merecia este tratamento”. O outro jurista foi mais coerente: “(Cunha) não fez mais que a obrigação”. Já que rasgou o seu currículo, assumiu de vez o rasgado. Já a terceira signatária do pedido nada mais fez do que confirmar o seu: é reconhecida arqui-conservadora.

Mas voltemos à frase patética. Afinal, o trio sabia exatamente nas mãos de quem estava pondo o pedido.Assim como a mídia conservadora sabia exatamente quem estava apoiando para a presidência da Câmara, tornando-o o terceiro na linha sucessória do Palácio do Planalto. Assim, não há propriamente o que reclamar quanto ao “tratamento” a ele dado. Tornou-se instrumento de barganha, de chantagem e de extorsão. Como não funcionou, ele foi adiante, com a aceitação.

Ademais, brilhantes juristas que não rasgaram o seu currículo vêm afirmando com consistência que os motivos alegados são juridicamente nulos para justificar um impeachment. Até mesmo a conservadora The Economist, defensora dos interesse da City londrina e que não poupa críticas ao “populismo”, ao “estatismo”, e outros “ismos” dos governos petistas, reconheceu a impropriedade da ação.

O objetivo desta é tornar nula a legítima decisão das urnas no ano passado. O pedido – junto com outros feitos e outras ações de sentido semelhante – vai ao encontro da desilusão das oposições e dos reacionários que formigam na mídia corporativa. Ambos patenteiam continuamente sua percepção de que vencer a corrida presidencial através das urnas parece impossível.

Isto é, evidentemente, uma ilusão, mas é o suficiente para reativar os instintos golpistas que sempre animaram quase todas as direitas brasileiras desde, pelo menos, o segundo governo de Getúlio Vargas. Esta repulsa ao leito da democracia é, na verdade, o fundamento “jurídico” dos pedidos de impeachment, e da campanha descarada que se faz, todos os dias na mídia, com munição de procedimentos policiais e de tribunais cada vez mais duvidosos, contra a legitimidade das decisões democraticamente tomadas nas urnas.

Como disse um notável estadista, “é possível enganar todos por algum tempo, alguns o tempo todo, mas não todos por todo o tempo”, ou algo assim. A peça jurídica em tela, alimentando a farsa política que é sua aceitação e será sua eventual prevalência, não deu nem para a saída.

Ela, no fundo, não engana ninguém, nem mesmo seus defensores, que se atiram sobre ela com a mesma avidez com que os “liberais” de 1964 se atiraram aos tanques que passavam na sua porta – quando não os incitaram a sair dos quartéis onde dormitavam. Como não há tanques, as bombas jurídicas e as farsas políticas servem.

Esperemos, porém, que, ao contrário das bombas de Hiroshima e Nagasaki, este pedido de impeachment, que já é um traque de festim do ponto de vista jurídico, não passe também de um traque político.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s