Sartori: o ilimitado discurso do nada

jose-ivo-sartori_-foto_-galileu-oldenburg_-pmdb-rs668

Renato Dalto

Vou fazer o que precisa ser feito. Essa frase acaciana, proferida dezenas de vezes pelo governador José Ivo Sartori, é uma metáfora da enrolação, do dizer nada, da mais constrangedora obviedade. Lembra o Conselheiro Acácio, personagem de Eça de Queiroz que diz pomposamente obviedades que beiram às raias do ridículo. Ouvi várias vezes o governador dizer essa frase na campanha eleitoral e, parece, se apaixonou por ela. Acácio Sartori é Narciso às avessas: mira-se no espelho da ridicularidade e se embriaga pela própria imagem que nada mais é do que uma solene ausência de ideias dourada por palavras. Pobre governador, pobre governo. Com uma frase dessas, pobre Rio Grande. Ai de nós.

Dá pra brincar com esse tão pomposo dizer nada do governador que nada disse a que veio. Por exemplo: eu gostaria de fazer uma pergunta ao governador, perguntar se ele vai fazer o que deve ser feito o que fará com o que não deve ser feito? Convidaria o governador a brincar de lógica primária, de vocabulário vazio, mas diria a ele que há muita gente já cansada com suas aulas de simploriedade.

Vou fazer o que precisa ser feito. Pois essa frase, surprendentemente, também foi o titulo da entrevista do governador publicada na edição do dia 25 de agosto em Zero Hora. A frase vazia usada como título é reveladora. O governador é vazio, mas ao repetir sua frase vazia, há um sinal de que há gente querendo levar outros a acreditarem em frases que nada dizem, em ações demonstram a ausência de programa e uma constrangedora indigência intelectual.

Certa vez um amigo meu falou o seguinte: com uma ditadura a gente se sente oprimido, mas com um governo enrolador a gente se sente burro. O escárnio à inteligência, o elogio ao óbvio, a aparente simplicidade que encobre a simploriedade do governador Sartori me fazem, como cidadão, me sentir chamado de burro. O Acácio da ficção é até divertido. O Acácio real do palácio não é divertido, é trágico.

Talvez o governador brinque de esfinge. Decifra-me ou te devoro: Vou fazer o que precisa ser feito. Frase feita para quem não tem cérebro. O nada indecifrável que vira manchete. O registro definitivo, impresso para as páginas da história. Daqui a um tempo lembraremos disso com uma triste memória. Recordaremos um governo que nada tinha a dizer ou fazer. E nos perguntaremos, talvez: como chegamos a esse ponto? Esse nada tem limite?

Coitado do Rio Grande. Ai de nós.

Anúncios

Sobre rsurgente

Jornalista, Porto Alegre (RS), Brasil.
Esse post foi publicado em Política e marcado , , . Guardar link permanente.

6 respostas para Sartori: o ilimitado discurso do nada

  1. Jussara Domingues disse:

    Frase pra ficar na historia política do Rs., Só que ele não podia dizer o que iA fazer pois corria o risco de não se eleger. A frase completa seria: VOU FAZER O QUE DEVE SER FEITO SEGUNDO A AGENDA NEO LIBERAL 2020.

  2. Isara Marques disse:

    Se oratória resolvesse problemas, todos teriam sido resolvidos no governo anterior .

  3. Gabriel disse:

    Pobre coitado,e coitados de nós governados por um sujeito acéfalo.

  4. flavio cunha disse:

    Não é a oratória o que importa! Importa é fazer, ter plano(dele e não da RBS). Ter respeito pelas pessoas, inclusive aquelas mal informadas, porém, bem intencionadas que votaram nisso.

  5. Raimundo Ávila disse:

    Quero parabenizar o autor, Senhor Renato Dalto, pela beleza estética do texto. É de uma peça literária da mais alta qualidade e que reflete com extrema riqueza em seu vocabulário, palavras tão bem colocadas. Assemelham-se ao cirurgião que, com seu bisturi, de forma precisa, faz cortes que salva a vida de seus pacientes. Quisera eu, ter sido discípulo de Ovídio, Pe. Vieira, Cícero e tantos oradores famosos para dedicar ao talentoso escritor os elogios que merece. Parabéns, Senhor Renato. Ávila.

  6. Elton disse:

    Para quem é caxiense deve lembrar que os medicos ficaram em greve durante 10 meses no governo Sartori, deixando de atender uma infinidade de enfermos. E tipico do governador. Agora ele vai receber a força tarefa para Porto Alegre, e a bandidagem vai migrar para o interior e grande Porto Alegre, salve se quem puder. Inutil e incompetente , os eleitores foram enganados pelo marketing Meu Partido e o Rio Grande, e aqui ele fez obras graças ao dinheiro do governo federal atraves do Pac. Negou ate o proprio partido tao ou mais corrupto que todos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s